CART alerta sobre riscos de acidentes ao jogar lixo na rodovia

De Bauru a Presidente Epitácio, a limpeza feita diariamente ao longo do Corredor CART resulta no recolhimento de quantidade expressiva de material jogado na pista ou no acostamento, principalmente latas de bebidas, garrafas PET, embalagens e restos de alimentos, até mesmo fraldas descartáveis usadas. No período de festas e férias, quando o fluxo de veículos tem um aumento médio de 20% no trecho, a CART – Concessionária Auto Raposo Tavares reforça a necessidade da colaboração de seus usuários com a limpeza das rodovias.

No mês de outubro, por exemplo, foram recolhidos 125,70 metros cúbicos de resíduos orgânicos nas rodovias SP-270 – Raposo Tavares, SP-225 – João Baptista Cabral Rennó e SP-327 – Orlando Quagliato. O material reciclável totalizou 148,20 m³, além de 25,16 m³ de resíduos não-recicláveis e 4 m³ de borrachas que se soltam de pneus ressolados de veículos pesados. O material reciclável é destinado a cooperativas que atuam em cidades do trecho. Borrachas e restos de ressolagem são levados para ecopontos.

As equipes de limpeza da CART atuam com equipamento de capina de vegetação, pás, além de caminhões de varredura e de transporte de ferramentas. “Para uma rodovia ainda mais limpa, a orientação é que o motorista leve sacolas plásticas para depositar seu lixo no interior do veículo e descartá-lo adequadamente na próxima parada. As 12 bases do Serviço de Atendimento ao Usuário [SAUs] possuem lixeiras para material orgânico e reciclável e são uma alternativa para o descarte nas paradas para descanso rápido ou para solicitar informações”, menciona Luis Santos, Gerente de Operações da CART.

A presença de detritos na malha viária, além do impacto ambiental, pode provocar acidentes. Com as chuvas, o lixo é levado pela enxurrada para os rios. Animais silvestres que habitam às margens da rodovia nas áreas de vegetação são atraídos para a pista e há o risco de atropelamento, que oferece ainda perigo aos ocupantes dos veículos.

Meio ambiente

A consciência ambiental é reforçada por meio das ações do PRA – Programa de Redução de Acidentes, que a CART desenvolve nas comunidades em parceria com a ARTESP – Agência de Transportes do Estado de São Paulo. A exposição itinerante “Rastros de Fauna” tem como principal público estudantes. “Um dos objetivos deste trabalho nas escolas é fazer dos alunos multiplicadores de conhecimento, alertando sobre o que a prática de jogar lixo na rodovia pode provocar”, afirma Luis Santos, gerente de Operações da CART. 

Contribuir com a limpeza da malha rodoviária é participar, ainda que indiretamente, de um consistente trabalho de preservação da fauna. No Corredor Raposo Tavares, o programa de mitigação de atropelamento de fauna atingiu resultado acima do indicado pela literatura científica. Em um trecho de 71 km de malha rodoviária, que compreende Maracaí e Regente Feijó, houve redução de 72% no índice de atropelamentos de animais silvestres, mesmo com a duplicação da pista e aumento do volume de veículos passantes.

Considerando apenas os pontos críticos de atropelamento mapeados nesse segmento, o índice de redução atingiu 86%. A literatura científica indica que pontos tratados representam entre 79% e 97% de redução. Um trabalho que envolve, além da implantação da estrutura de passagens de fauna, monitoramento constante. “Os animais, de acordo com literatura específica, levam um tempo para reconhecer a utilidade desses dispositivos, o que chamamos de curva de aprendizagem. Se o lixo é lançado na rodovia e o atrai para a pista, este processo é comprometido”, explica Santos.

Versão para impressão Envie para um amigo Compartilhe RSS